Banner3

7 práticas comuns aos apreciadores de vinhos

Pessoas que apreciam vinhos são sempre as melhores, certo? Para nós, sim!

Apreciadores de vinhos geralmente têm a curiosidade aguçada, estão constantemente em busca de novos sabores e experiências, se interessam por história e cultura, reconhecem o vinho como uma bebida afetiva, percebem seu potencial de aproximar pessoas e entendem seu processo de feitura como o complexo encontro entre ciência e arte.

Listamos algumas práticas que são dignas de exímios apreciadores de vinhos. Leia a seguir e descubra se você é um(a) deles(as):

1. EXPERIMENTAM DIVERSOS TIPOS DE VINHO

Quem aprecia vinhos sabe que o primeiro passo para conhecer mais é experimentar, por isso está constantemente provando novos vinhos. O apreciador busca conhecer diferentes safras, países, uvas e sabores. Sabe que um bom vinho não necessariamente é o mais caro – há uma vastidão de rótulos e nem sempre o mais caro é o que mais combina com seu gosto – e que a qualidade do vinho não está ligada apenas a seu gosto pessoal – não é porque um vinho não lhe agrada que ele é ruim. Cada vinho tem suas características e é preciso conhece-las primeiro para depois descobrir aquelas de preferência.

2. CONHECEM AS PRINCIAIS UVAS E SUAS CARACTERÍSTICAS

O tipo de uva diz muito sobre as características do vinho. Quem conhece mesmo sobre vinhos sabe que as uvas Chardonnay, Sauvingnon Blanc, Pinot Gris e Riesling são as principais uvas utilizadas para vinhos brancos; já as Cabernet Sauvingnon, Merlot, Pinot Noir e Malbec e Syrah originam os principais vinhos tintos. Sabem também as características básicas de cada uva e conseguem categorizar os vinhos de acordo com seu corpo (espumante, branco seco, rosé, tinto encorpado, vinho de sobremesa, etc.) e escolhendo seus preferidos.

Além disso, sabem que vinhos brancos geralmente são tomados mais jovens e mais frios, enquanto os tintos levam mais tempo para maturar e podem ser servidos em temperaturas mais amenas.

3. SABEM ARMAZENAR O VINHO

Para aproveitar todas as incríveis características de um vinho é importante cuidar do armazenamento antes e depois de consumi-lo. O armazenamento errado compromete suas características. Apreciadores sabem bem disso, portanto guardam suas garrafas em locais escuros, em temperaturas frescas, ambientes úmidos e na posição horizontal. Após abri-los, consumem o vinho o quanto antes para que a bebida não se oxide. Em caso de sobras costumam utilizar em preparações culinárias ou manter a garrafa bem tampada (preferencialmente com uma rolha à vácuo) em um local sem mudanças drásticas de temperatura.

4. SABEM COMO SERVIR E DEGUSTAR

Conhecedores de vinhos sabem que há taças específicas para cada tipo de vinho e que essas influenciam na degustação da bebida, como por exemplo, os tintos encorpados podem ser adequadamente degustados em taças transparentes, com pé alto, e borda mais estreita que o corpo; já os brancos são servidos em taças um pouco menores que as do tinto, pois devem ter menos contato com o ar e manter a temperatura baixa por mais tempo; os champanhes e espumantes são melhor aproveitados em taças finas, altas e retas, assim as bolhas duram mais tempo.

Tipos de Taças

Quem entende sabe também que não é necessário encher toda a taça, assim o vinho não esquenta, nem oxida rápido demais. O correto é servir 1/3 da taça.

Uma vez servido o vinho chega a hora de degustar, ou seja, ter o prazer de analisar atentamente e interpretar as sensações que cada vinho provoca nos sentidos. Os apreciadores analisam o visual, os cheiros e sabores. Fazem esse processo com calma, aproveitando cada momento. No visual, buscam reconhecer as cores, a transparência e as nuances; no olfato, examinam os odores desejáveis, os principais e os secundários; por fim, na descoberta dos sabores estão atentos à textura, às sensações e ao equilíbrio delas. Para os apreciadores a degustação é a etapa mais complexa e prazerosa do processo de descoberta de um vinho.

Feita a análise os apreciadores podem criar suas próprias classificações e ir definindo suas preferências. Outra prática comum é manter um registro das experiências para ajudar a prestar atenção nas sutilezas e a se lembrar do que já foi experimentado e descoberto, o agrada e o que desagrada.

5. ENTENDEM SOBRE HARMONIZAÇÃO

Além de saber servir e degustar propriamente o vinho, quem aprecia sabe que, se combinado com o acompanhamento errado, não importa a qualidade, o vinho pode ficar ruim. Por outro lado, se junto a um alimento de sabor complementar, o vinho tende a ficar ainda melhor. As principais dicas são:

6. PESQUISAM CONSTANTEMENTE

Como já dissemos, apreciadores de vinhos são exímios curioso que estão sempre buscando conhecer mais e mais sobre essa bebida tão fascinante. Não basta saber apenas qual é a uva e qual é a região e safra do vinho. O apreciador busca saber também o tipo de produção do vinho (orgânico ou convencional), o tipo de colheita da uva (manual ou mecânica), o barril utilizado para a maturação (madeira ou inox), as características da região de origem, a história do vinho, as novidades do mercado e por aí em diante. Conhecimento nunca é demais para quem é apaixonado por vinhos.

7. BEBEM COM MODERAÇÃO

Por último, mas não menos importante, apreciadores bebem com moderação. Eles sabem que de nada adianta escolher um bom vinho, degustar e harmonizar corretamente se ao final a lembrança mais marcante for a ressaca. Qualidade sobre quantidade, apreciadores de verdade sabem bem disso.

 

E então, se identificou?
Você pode se considerado um conhecedor de vinhos?

Quer ir além e saber os erros mais comuns ao consumir vinhos?
Falaremos sobre esse tema no próximo post, nos encontramos lá!