red-wine-456434_1920

África do sul: conheça a história de uma das 10 maiores produtoras de vinho no mundo

Os vinhos produzidos na África do Sul estão entre os dez melhores do mundo. Eles figuram entre a oitava e a nona posição, dependendo  da pesquisa. A região faz parte do chamado “novo mundo dos vinhos” e sua história começou por volta de 1659. A região onde hoje fica a Cidade do Cabo era rota dos navios que contornavam a África. O comandante holandês, Jan van Riebeek, decidiu, por volta de 1652, plantar uvas na região para combater o escorbuto entre os marinheiros que ali aportavam. Sendo assim, mandou que fossem trazidas mudas francesas, que começaram a tradição dos vinhedos na localidade.

Nos anos subsequentes, outros navegadores começaram a povoar o país com vinhedos. Em 1685 foram plantadas as primeiras parreiras na região de Constantia, principal distrito de vinho da África do Sul até hoje. A história do vinho na região, depois de então, passou por altos e baixos.

Por conta de disputas internacionais e, mais recentemente, embargos por conta do regime de apartheid, a África do Sul enfrentou alguns períodos de dificuldade de exportação de seus vinhos. Por outro lado, em épocas que o comércio esteve aquecido, a produção foi tanta que foi necessário criar cooperativas para assegurar a qualidade do vinho produzido.

O vinho na economia da África do Sul

Hoje,  a África do Sul exporta cerca de 450 milhões de litros de vinhos por ano, para mais de 80 países. Na região, existem cerca de 100.000 hectares plantados, distribuídos pelos mais de 4.500 produtores.

Por conta de seu clima temperado, com verões secos e quentes e invernos frios, a localidade consegue abrigar diferentes espécies de uvas. Esta, aliás, se tornou uma das principais características da região: a pluralidade do cultivo.

Constantia agrega esta característica climática e por isso é considerada o principal local de produção de vinhos. Além do clima, a geografia também favorece por meio de seus vales e montanhas.

Desde 1973, o país é dividido em cinco principais regiões viticultoras. Além de contribuir para a melhor produção de vinhos, essa característica estimula o turismo entre  as vinícolas. A Rota 62 é o caminho que passa entre as cinco regiões e é considerada a rota de vinhos mais longa do mundo, com cerca de 800 km.

As macro regiões produtoras de vinho na África do Sul são: Coast, Olifants River, Boberg, Breede River Valley, e Klein Karoo. Dentro de cada uma delas, existem diferentes cidades conhecidas pela sua produção de vinho.

As uvas da África

As principais uvas cultivadas na África do Sul são Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah para vinhos tintos, e Chenin Blanc, Sauvignon Blanc e Chardonnay para os brancos.

As uvas com origem europeia deram origem, ao longo dos anos, a combinações puramente africanas, como é o caso da Pinotage, um cruzamento original da região entre as uvas Pinot Noir e Hermitage. Essa uva é responsável por cerca de 20% dos vinhos tintos produzidos no país. O sabor da bebida é complexo, rico e com nuances de especiarias.

Conheça o sabor dos vinhos da África do Sul.