as vantagens de morar em apartamento (4)

Vinhos para quem gosta de história

Há aqueles que compram vinhos de acordo com sua uva preferida, com o preço ou com sua pontuação. E há aqueles que compram vinhos porque se encantam com sua história, que desperta curiosidade e torna a degustação uma experiência ainda mais prazerosa.

Fizemos uma seleção de rótulos que são famosos por suas encantadoras histórias, seja pela tradição ou pelo mistério, além da alta qualidade, os vinhos a seguir nos cativaram, entenda os motivos:

– Perfeita combinação entre sabedoria e inovação.

“De todos os encantos, o mais atraente para a alma é o mistério. Não há beleza sem um véu e estamos sempre dispostos para o desconhecido. A existência insuportável seria se não estivéssemos sempre sonhando.”

Alma Negra é o vinho elaborado pelo renomado Ernerto Catena da bodega Catena Zapata de Mendonza, Argentina. A produção deste vinho se iniciou em 2003 com apenas 11 barris e, desde então, segue a tradição de ser elaborado por diferentes uvas e mãos. O corte é secreto, seguindo o desejo de Ernesto em produzir um vinho que fosse julgado somente pela percepção de quem o degusta.

A coloração é bastante escura e o bouquet é exuberante e exótico, enquanto no palato mostra-se macio e intenso, com personalidade bastante peculiar. Lançada em 2006, a linha ganhou o nome Misterio e um rótulo negro que reforça seu nome, e a safra de 2013 foi pontuada por Robert Parker com 91 pontos.

Quem já teve o prazer de prova-lo garante que não se trata de um vinho, mas de uma obra de arte e que, certamente, o aspecto misterioso torna a experiência ainda mais excitante!

– Viva a tradição!

Conta a história que quando Julio Cesar se tornou imperador de Roma, ele pediu a vinícola Vasari que criasse um vinho excepcional para que fosse servido em sua posse. Enólogos e proprietários se juntaram para criar algo único e assim surgiu o místico Gaius Timpanara, também conhecido como “vinho do imperador”.

Este é o vinho de origem mais antiga (46 a.c.) em produção ainda hoje. Elaborado 100% com uvas Nero d’Avola, a mais adorada e abundante da Sicília, e amadurecido 24 meses de barricas de carvalho o italiano Gaius Timpanara apresenta cor vermelho rubi, com reflexos tendentes ao granada, intenso, encorpado, de estrutura harmônica persistente, acidez intensa e equilibrada. Um vinho cheio de história e qualidade!

 

– O segredo delicioso e acessível.

Raimundo Azócar, um dos melhores enólogos do Chile sempre elaborou vinhos com as melhores barricas para consumir com os amigos e família. A cada novo lote o vinho estava melhor e mais interessante, a tal ponto que o dono da Punti Ferrer resolveu engarrafar o vinho. Raimundo teve resistência de início, mas acabou aceitando com algumas ressalvas: que nunca fossem divulgadas as uvas, safras e regiões que eram produzidos e que o custo do vinho fosse acessível a todos.

Não sabemos quais uvas estão no corte, porque, de acordo com Raimundo “o amante do vinho precisa acreditar no trabalho do enólogo que cria o vinho, e não apenas nas uvas ou região de origem”. O que sabemos é que trata-se de um belo vinho tinto, amadurecido entre 8 a 10 meses em barricas de carvalho americano e francês de primeiro e segundo uso, com coloração vermelho rubi intenso e notas violáceas. Apresenta aromas de frutas vermelhas bem maduras como cerejas e amoras, nuances de tostados doces como caramelo, baunilha e chocolate ao leite. É um vinho encorpado com taninos de alta qualidade, mas muito fácil de beber.

– A celebração da produção familiar.

Vinyes Ocults surgiu como vinho de garagem. Começou a ser produzido em 2007 na casa da família de Tomás Stahringer em Villa del Parque, Godoy Cruz, com uvas de vinhedos de qualidade e tanques de fermentação próprios. Ao perceber a aceitação do público, aumentaram a produção, levando-a a uma pequena fazenda no Vale do Uco, escondida em meio a uma paisagem de montanhas, riachos e árvores frutíferas. O nome do vinho deriva dessa característica oculta dos vinhedos, mas só foi batizado assim em 2015, junto com o belo rótulo que homenageia o festejo mexicano do dia de los muertos, representando a ideia que “não há como aproveitar a vida sem o medo da morte”.

O vinho, produzido com uvas Gran Malbec é intenso e fresco, lembrando frutas pretas, violetas e hortelã. Os aromas de baunilha e chocolate amargo contribuídos pelo barril estão em perfeito equilíbrio com os descritores varietais. Apresenta profunda cor violeta e excelente simetria entre acidez, álcool e taninos redondos e maduros, que o definem como um vinho vivo com muita personalidade, de final persistente e sedutor.

Há de se respeitar um vinho que começou a ser produzido dentro de uma casa de família e recentemente recebeu 97 pontos pela revista Decanter!

Todos os vinhos descritos aqui estão disponíveis em nossa loja, aproveite!